segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Escola de Samba

“Louvai-o com o som da trombeta, louvai-o com saltério e com harpa, louvai-o com adufes e danças, louvai-o com instrumentos de cordas e com flauta, louvai-o com címbalos sonoros, louvai-o com címbalos altissonantes.”
Este é um texto que nos dá base para aceitarmos o uso de muitos instrumentos que, por vezes, são marginalizados no culto ao Senhor. Entre os mais criticados estão a bateria, as percussões e o berimbau. Traduzindo os termos do versículo – adufe é o mesmo que pandeiro e címbalos são pratos – é fácil concluir que Deus não é contra os pratos utilizados em abundância na bateria. Noutras passagens bíblicas observa-se o uso dos tambores (Gn 31:27; I Sm 10:5; 18:6; Is 5:12; 24:8).
Um bom observador verá que uma bateria é composta apenas de pratos e tambores, nada mais. Portanto, Deus não é contra a bateria. Se algumas pessoas a tocam tão alto a ponto de incomodar, é mais uma questão de ajuste do volume, da técnica do instrumentista, do que falta de reverência no culto.
Deus também não é contra o pandeiro e nem contra o berimbau que é um instrumento de corda tal qual a harpa. Os instrumentos utilizados em cultos afros, ou de qualquer outra etnia, não foram criados pelo inimigo. O Diabo não cria nada. Quem cria é o homem, inspirado por Deus que o criou.
O tamborim é outro marginalizado. Miriã, irmã de Arão, o sumo sacerdote, em Êxodo 15:20, toca tamborim e dança, juntamente com outras mulheres, louvando ao Senhor. Mais tamborins em: Jz 11:34; II Sm 6:5; Jó 21:12; Sl 68:25; 81:2.
Ajuntando todos esses instrumentos tem-se uma boa escola de samba tocando música brasileira da melhor qualidade.
Conclui-se, portanto, que o fato de se proibir o uso desses instrumentos no culto ao Senhor não é porque a Bíblia condena, mas porque o homem condena. O uso ou não desses instrumentos é questão cultural. Deus quer receber o louvor em espírito e em verdade, independente do instrumento que se está usando. Em muitas etnias, quando as pessoas se convertem, elas continuam a utilizar os seus próprios instrumentos para louvar a Deus. A Bíblia é clara: louvai ao Senhor com todos os instrumentos. “Cantai-lhe um cântico novo; tocai bem e com júbilo.”
O destaque neste versículo está em duas expressões: “tocai bem” e “com júbilo”. Em outras versões encontraremos “tangei com arte e com júbilo” – tanger significa tocar de forma dedilhada um instrumento musical.
Tocar com “arte” é tocar bem, com técnica, sabendo o que está fazendo com o instrumento musical porque estudou profundamente a respeito dele. Tocar com júbilo é mais do que tocar com alegria. É tocar com a verdadeira alegria advinda da unção de Deus sobre a vida do instrumentista.
O salmista Davi está enfatizando que não basta apenas saber tocar bem um instrumento ou ter unção de Deus para ministrar com música na Casa do Senhor. É preciso que o ministro de música toque com técnica e também com unção. Que saiba equilibrar arte e unção.
Concluímos, portanto, que o ministro deve buscar se aperfeiçoar constantemente em seu instrumento musical e também na comunhão com o Senhor. Em I Samuel 16:18, a Bíblia destaca a habilidade de Davi em executar seu instrumento e em Atos 13:22 a sua perfeita comunhão com o Senhor, tornando-o alguém habilitado a estar aconselhando os músicos a tocarem bem e com júbilo. "Um dos seus próprios profetas disse: Os cretenses são sempre mentirosos, animais ferozes, glutões preguiçosos"
O profeta a que Paulo se refere chama-se Epamênides, um filósofo grego que viveu 600 anos antes de Cristo. A sua frase, transcrita por Paulo, parece ter sido o estopim para que todas as gerações seguintes se pervertessem.
Por causa disto, Paulo teve que ensinar Tito exatamente o que ensinar a cada segmento da sociedade cretense (Capítulo 2:1-9), haja vista que a filosofia de Epamênides corrompera as pessoas geração após geração.
No Brasil, frases ditas por "filósofos populares" (músicos, poetas, publicitários, escritores, etc), têm corrompido o povo brasileiro: "País do carnaval", "O importante é levar vantagem em tudo" (frase dita pelo jogador de futebol Gerson em uma propaganda de cigarro), "Este País é ruim porque os seus primeiros habitantes eram bandidos", e muitas outras frases.
Não penso que isto seja questão de benção ou maldição. É uma questão psicológica. Se nascemos e crescemos com alguém dizendo isso todos os dias, passamos a acreditar assim.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

A QUEM POUCO SE PERDOA, POUCO AMA

PERDÃO
Muitos relacionamentos bons freqüentemente se vêem enfraquecidos por conta de um detalhe, um deslize aqui e ali, real ou imaginário. Há pessoas que, por pouco, se enchem de rancor e até perdem o próprio controle em situações por vezes simples como, por exemplo, um amigo que demora um pouco mais para retornar uma ligação, ou o fato de seu nome não figurar na lista de convidados de uma formatura, festa de aniversário, etc.
Muitos colocam um amigo em um nível tão alto que facilmente se decepcionam nas primeiras dificuldades. Não conseguem relevar pequenas coisas. Até o menor descuido pode se transformar em algo do tipo "traição".
Meu leitor, desenvolva a capacidade de relevar, de perdoar mágoas decorrentes dos relacionamentos com amigos. Quando a gente não perdoa, acumula um punhado de miséria alojado bem no fundo, nas entranhas do coração, aprofundando, para a própria infelicidade, as malditas raízes de amargura.
Nunca se esqueça de uma coisa: perdão é estrada de mão dupla. Quem é perfeito que não comete erros? Então, para que ser tão implacável com um amigo que falhou, intencionalmente ou não? Leia o provérbio chinês: "Não use um machado para tirar a mosca da testa do seu amigo".
Creia em uma coisa: se algum relacionamento tem sobrevivido é porque você tem amigos que sabem perdoar. E os amigos mais antigos, responsáveis pelas amizades mais duradouras, são os que mais nos perdoam.
Qualquer amigo que você tenha, um dia certamente irá decepcioná-lo. Pode ter certeza.
Aprenda a ter amigos de verdade. Faça também a sua parte. Aformoseie seu rosto. Há como perdoar até as chamadas "ofensas grandes"! Quanto mais relevar e esquecer as pequenas!

A QUEM POUCO SE PERDOA, POUCO AMA
LUCAS 7.36-50
SITUAÇÃO 1 (versos 36-38)
A razão pela qual Simão convidou Jesus para comer em sua casa não nos é conhecida. O fato é que, quando começaram a tomar a refeição, uma mulher de vida errada, isto é, de má reputação, entra naquela casa, levando consigo um frasco de alabastro com perfume para ungir Jesus. Ela foi de muita audácia e valor ao enfrentar os olhares cruéis e depreciativos dos que ali se encontravam e conseguir, dessa forma, aproximar-se de Jesus. É bem possível que ela já o houvesse encontrado e sentido o impacto da santidade dEle, fazendo-a reconhecer-se pecadora. Desejava obter perdão por estar certa de que Jesus tinha poder para tanto.
Ela chegou perto de Jesus, soltou os cabelos para com eles enxugar os pés do Mestre, que seriam ungidos com perfume, como que, também, demonstrando profundo agradecimento.

SITUAÇÃO 2 ( VERSO 39)
Que oposta e lamentável foi a atitude de Simão!
Surpreendeu-se por Jesus ter permitido tais coisas a uma mulher pecadora. Longe de olhar para dentro de si mesmo e ver-se débil e orgulhoso, legítimo representante da vanglória dos fariseus, Simão lamentou que Jesus tivesse a coragem de se compadecer de gente
assim e, inclusive, porque o recebia, formalmente, em sua própria casa.
Há muitos como Simão, dentro da Igreja, mas sem lugar para Jesus em seu coração. Sem misericórdia.
SITUAÇÃO 3 (VERSOS 40-50)
Jesus, que conhecia perfeitamente os pensamentos de Simão, começou a narrar uma história sobre o significado do perdão. Desse modo, conseguiu firmar o contraste entre a conduta do anfitrião e a da mulher carente de perdão e paz, como que dizendo: o que faltou à hospitalidade de Simão foi suprido pela atitude da mulher. Ela se havia quebrantado, enquanto Simão estava cheio de vanglória e insolência.
Por sentir-se perdoada, amou muito, porque “AQUELE A QUEM POUCO SE PERDOA, POUCO AMA” (verso 47).E diz mais Jesus a ela: “perdoados são teus pecados”
(verso 48). E depois completou: “Vai-te em paz, a tua fé te salvou”. (verso 50).
O amor que a mulher sentia em seu coração, foi efeito, resultado do perdão. Por isso Jesus diz que a fé, e não o amor a salvou. O amor agradecido é fruto do perdão.
E a paz é a possessão bendita da alma perdoada. Glória a Deus pela bênção do perdão!
Que lições às três situações distintas nos ensinam? – Cada um examine-se a si mesmo!
Pastor Eli Fernandes de Oliveira
IB da Liberdade - SP

sábado, 13 de novembro de 2010

SEXO - A MELHOR POSIÇÃO É PAPAI E MAMAE

Adolescentes, adolescentes! Ficávamos discutindo qual a melhor posição para se fazer sexo, éramos estimulados pelas nossas mentes férteis e por materiais não apropriados para a nossa idade a pensar em varias posições sexuais que nos dariam a possibilidade de ter muito prazer!
Mas hoje eu sei que nenhuma pode te dar mais prazer que a posição Papai e Mamãe! Não estou dizendo a posição em si, mas sim a postura de um pai e uma mãe, a postura de um casal que tem planos e compromissos. Vou explicar.
O proibido sempre foi usado como estímulo sexual para criar desejos e esquentar relacionamentos.
As histórias e os filmes pornograficos montam as fantasias com pessoas que estão fora do seu convívio, colocando que o maior prazer vai surgir de repente com alguém que você não conhece bem, com a secretária, a vizinha ou alguém que entrou na sua casa para prestar algum serviço banal.
Dizem que não podemos ter o MAIOR prazer com o que temos em casa, com a esposa, mas é proposto para nós que a melhor posição do prazer é o Papai e a Amante ou a Mamãe e o Outro.
Afinal de contas, o poeta já cantou: “Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça é ela menina que vem e que passa”. Deixando bem claro que a que já estava não é mais bela e nem tem mais graça.
Mas isso não é verdade e, é exatamente por isso que se chama fantasia.
Um posicionamento no Papai e Mamãe sugere um compromisso a longo prazo entre duas pessoas que querem estabelecer uma família, algo para a vida.
O sexo já é um prazer enorme, mas se acrescentar o prazer do compromisso, a entrega é por inteira e não vai haver limites para o prazer! O orgasmo será apenas a porta de entrada para a alegria de estarem juntos gozando a comunhão de alguém que te quer por inteiro(a).
O que os adolescentes precisam saber é que, na verdade, não importa muito a posição sexual, se for Papai e Mamãe, de 4 ou até Canguru Perneta não é o que vai aumentar e perpetuar o prazer, e sim um compromisso duradouro com a pessoa com quem se tem a relação. Um compromisso de confiança, de vida, de família, que eu estou chamando de posicionamento Papai e Mamãe!
Marcos Botelho

terça-feira, 9 de novembro de 2010

O Evangelho Umbigocêntrico

por Hermes C. Fernandes

Pior que um Evangelho sem Cruz, é um Evangelho onde a Cruz é reinterpretada e acomodada às demandas de uma espiritualidade umbigocêntrica.
O Evangelho da Auto-estima insiste em afirmar que a Cruz de Cristo revela nosso real valor. Se não tivéssemos valor, por que Cristo Se disporia a pagar tão caro por nós?
Pode até parecer fazer sentido tal argumentação, mas carece totalmente de embasamento bíblico.
Quando um Juiz estabelece uma fiança altíssima para soltar alguém, isso revela o valor do criminoso ou a gravidade do seu crime?
A Cruz revela o nosso absoluto estado de miséria espiritual. O Salmista diz que nossa redenção era caríssima, e todos os nossos recursos se esgotariam antes.
Não se trata de afirmar nosso valor, como se Cristo estivesse pagando por algo que Lhe fosse muito caro. Trata-se, antes, do pagamento pelos nossos pecados.
Se houvesse algum motivo em nós mesmos, algum valor intrínseco pelo qual Cristo Se dispusesse a pagar, então já não seria por Graça, mas por mérito. Ora, se valêssemos a pena, Deus não teria feito mais do que Sua obrigação.
A Graça só se explica pelo fato de não valermos absolutamente nada. Nas palavras de Paulo, tornamo-nos inúteis. Do ponto de vista humano, a graça seria um enorme desperdício.
Oh maravilhosa graça! Deus pagou pelos meus pecados, e com isso, em vez de estabelecer meu valor, estabeleceu Seu amor. Deus decidiu amar o que não merecia ser amado. Deus decidiu perdoar e salvar o que sequer merecia Sua atenção.
A graça só se justifica pelo fato de Deus ser amor, e estar disposto a amar gente miserável, pecadora, desprovida de qualquer mérito próprio.
Diante da realidade da Cruz em contraste com sua natureza pecaminosa, Paulo não bradou “Valioso homem que sou!”, mas em vez disso, declarou “Miserável homem que sou!”
O Evangelho da Auto-estima desmerece a graça e enaltece o homem. Na verdade é um desevangelho, um ultraje ao espírito da graça, um escárnio ao sangue de Jesus.

Créditos: http://www.territorio7.com.br/blog

FALANDO DE AMOR

Purifica o teu coração antes de permitires que o amor entre nele, pois até o mel mais doce azeda num recipiente sujo.
Pitágoras